Acusado pelo assassinato de jornalista em Itabuna vai a júri 20 anos depois do crime

Fonte: Da redação

Crédito da Foto: Divulgação

Marcone Sarmento, um dos acusados pelo assassinato do jornalista Manoel Leal, que aconteceu em no dia 14 de janeiro de 1998, será julgado na próxima quarta-feira (22/5), pelo Tribunal do Júri da comarca de Salvador. Leal foi o fundador do jornal de Itabuna A Região, e usava o veículo de comunicação para fazer denúncias de irregularidades praticadas pelo prefeito da cidade na época, Fernando Gomes.

O jornalista foi vítima de uma emboscada, e acabou sendo executado com seis tiros na porta de casa. Após o crime, Marcone Sarmento chegou a ser denunciado pelo Ministério Público Estadual (MPE), como um dos autores do homicídio, mas foi absolvido em 2005. Depois da decisão, o MPE recorreu da decisão, e o Tribunal de Justiça acatou a manifestação.

Além de Sarmento, outras duas pessoas também foram julgadas por participação no crime: o policial Mozart Brasil, que foi condenado a 18 anos de prisão, e outro homem, que foi absolvida por falta de provas. Familiares de Manoel Leal acreditam que o ex prefeito de Itabuna, Fernando Gomes, foi o mandante do assassinato.

LEIA MAIS: Acusação de abuso é vingança de uma pessoa inconformada com o divórcio, diz Bassuma
Acompanhe nossas transmissões ao vivo e conteúdos exclusivos no www.aratuon.com.br/aovivo. Nos mande uma mensagem pelo WhatsApp: (71) 99986-0003.