AJUDE O CAUÃ: Pais criam vaquinha virtual para tratamento de filho com síndrome rara

Fonte: Heloísa Gomes

Crédito da Foto: Acervo pessoal

Sabe aquele momento mais esperado pelos pais? Aquela disputa sobre quem o bebê vai chamar primeiro, papai ou mamãe? Os pais de Cauã não viveram o momento mágico das primeiras palavras. A emoção dos primeiros passos ainda não foi experimentada. Tudo isso provocado por uma síndrome rara que desencadeia crises graves de epilepsia, diagnosticada no oitavo mês de vida. Hoje, com um ano e sete meses, o menino não anda, não consegue ficar em pé ou sentado, não fala e também não enxerga.

A intuição de mãe não falha. No primeiro mês de vida do pequeno, Yasmin desconfiava dos espasmos que ele tinha frequentemente, inclusive enquanto dormia. No terceiro mês, apareceram as convulsões e perceberam que Cauã não enxergava. No oitavo mês, a notícia terrível: Ele tem Síndrome de West – forma grave de epilepsia, geralmente manifestada entre o terceiro e décimo segundo mês, a síndrome é mais comum em garotos e pode ser causada por disfunções orgânicas do cérebro que podem ser de origens pré-natais, perinatais (durante o parto) ou pós-natais.

Além dos problemas causados pela doença, o pequeno sofreu uma lesão no córtex, região mais importante do sistema nervoso central e teve paralisia cerebral. Atualmente, Cauã pesa a metade do que deveria na sua idade, tem apenas 7 quilos e apresenta dificuldades para se alimentar. Para os pais de primeira viagem, Yasmin Santana e Lucas Gomes, o desafio de lutar pela qualidade de vida do filho vai além do orgulho. Eles que são estudante universitária e encarregado de obras, respectivamente, não teriam condições de custear o tratamento necessário para que o menino tenha oportunidade de viver em melhores condições.

Conheça a história de vida de Cauã:

CAMPANHA:

Os pais decidiram criar uma conta em um site de “vaquinha on-line”. Lá, as pessoas podem conhecer a história do garotinho e doar qualquer valor. Além do site, eles decidiram criar contas bancárias para a criança, ajudando na capitação de recursos. Para doar por meio do site basta acessar o link: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/ajude-o-caua-a-vencer-a-sindrome-de-west.

Você pode também realizar depósito ou transferência para as contas: Bradesco – Agência: 3673 Conta poupança: 1004414-6, Cauã Lucca Lima Gomes ou Banco do Brasil – Agência:2956-4 Conta poupança: 301114-3, Cauã Lucca Lima Gomes CPF: 081.815.305-94

Siga @ajudeocaua no Instagram.

ajude-caua

Entre na luta pela vida do Cauã.

TRATAMENTO:

No Brasil, o tratamento não está disponível. Para conseguir a cura de Cauã, será necessário ir à Tailândia, onde o procedimento é realizado. O tratamento é oferecido pelo Better Beink Hospital e custa U$ 35 000 dólares.

Fazem parte do tratamento: oito injeções com células tronco, acomodações para paciente e acompanhante, alimentação para paciente e acompanhante, exames pré-cirúrgicos e terapias pós-cirúrgicas como: fisioterapia, aquaterapia, terapia ocupacional, oxigenoterapia hiperbárica, acupuntura, massagem e nutrição-terapia. Cauã precisa o mais rápido possível de estimulação, principalmente visual. Foi inscrito, aceito, e aguarda apenas o pagamento para poder viajar e fazer o tratamento.

“Eu, como pai, ‘tô’ aqui encarecidamente pedindo a vocês que deem uma oportunidade ao meu filho para ele poder andar, enxergar… Enquanto houver 1% de chance, eu vou ter 99% de fé”, pede emocionado o Lucas, pai de Cauã.