Assassinato de Marielle Franco (PSOL) gerou onda de Fake News; Confira boatos!

Fonte: Da redação

Crédito da Foto: reprodução / EL País

A morte da vereadora Marielle Franco (PSOL) brutalmente assassinada na última quarta-feira (14/3) ainda repercute nas redes sociais. Ela acabou virando alvo das Fake News ( notícias falsas). Segundo textos que circulam pela internet, Marielle teria sido casada e engravidado aos 16 anos do traficante Marcinho VP. Além disso, teria sido eleita pela facção criminosa Comando Vermelho.

LEIA MAIS: FAKE NEWS: O compartilhamento de notícias falsas pode prejudicar a sua saúde

LEIA MAIS: CARTILHA: O Aratu Online vai te ajudar no mundo das ‘Fake News’ e da (des)informação

LEIA MAIS: FAKE NEWS: O que as principais redes sociais têm feito para lidar com esse fenômeno

A princípio, a ideia da publicação disseminada na web era a de mostrar que a vereadora teria vários motivos para ser morta por criminosos. Ou seja, a vítima teria sido a culpada pela sua própria morte…

Verdade ou mentira?

Marielle Franco tinha 38 anos de idade quando foi assassinada na última quarta-feira, no Rio de Janeiro. Defensora dos direitos humanos, a vereadora vinha denunciando abusos por parte da Polícia Militar nas comunidades. Ela, de fato, teve uma filha, Luyara, quando tinha 19 anos (e não 16 como espalharam por aí).

Não há nenhuma informação sobre algum casamento da falecida em nenhuma reportagem a respeito dela. O fato é que uma busca por “Marcinho VP” retornam duas respostas. Há pelo menos dois traficantes conhecidos com o”Marcinho VP”:

  • Márcio Amaro de Oliveira, que atuava na Favela Santa Marta
  • Márcio dos Santos Nepomuceno, traficante de drogas que atua no Complexo do Alemão

O primeiro, morreu em 2003, aos 33 anos de idade, no presídio Bangu3 onde estava preso desde 2000. Nessa época,Marielle Franco tinha 19 anos e morava no Complexo da Maré. Já o traficante, antes de ser preso, comandava a favela Santa Marta – que fica a cerca de 20 km de distância da casa da moça. Parece ser pouco provável que eles tivessem sido casados nessa época, dada a distância entre eles e a total falta de provas desse enlace.

No caso do outro “Marcinho VP” (o traficante do Complexo do Alemão), a possibilidade dele ter se casado com a vereadora também é mínima, visto que ele está preso desde 1997 e – igualmente como ocorreu no caso do Marcinho da favela Santa Marta. Ou seja, não há nenhuma prova de que ele tenha se casado com a vítima!

Marielle foi eleita pelo Comando Vermelho?

Outra informação espalhada pela web afirma que a vereadora teria sido eleita pelo Comando Vermelho. No site do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro – há o registro de que Marielle Franco foi a quinta mais votada da cidade, com maiores quantidades de votos vindos de bairros como Leblon, Copacabana e Ipanema. Como podemos ver nesse recorte de um infográfico do portal G1 abaixo, as comunidades onde o Comando Vermelho atua sequer aparecem no ranking:

Se a vereadora tivesse sido eleita mesmo graças ao Comando Vermelho, certamente as comunidades comandadas por essa facção teriam maior representatividade na eleição de Marielle.

Esse rumor se espalhou de tal maneira que até pessoas públicas caíram nessa, como a desembargadora do TJ-RJ Marília Castro Neves, que publicou em sua conta no Facebook acusações contra a então recém-assassinada Marielle Franco:

Em entrevista à jornalista Mônica Bergamo, da Folha de São Paulo, a desembargadora disse que – apesar de publicar um desabafo “como uma cidadã“ – ela apagou a sua publicação e se explicou dizendo que apenas comentou o “que ouviu de uma amiga” e que não conhecia a vereadora até saber da sua morte.

Pré-candidato ao GDF e líder da bancada da bala no Congresso, o deputado Alberto Fraga (DEM/DF), também, propagou notícias falsas sobre a vereadora. O coronel da PM na reserva postou uma Fake News que recebeu relacionando a vereadora com o tráfico de drogas nas favelas do Rio de Janeiro. Arrependido, Fraga retirou do ar a postagem sobre Marielle Franco a pedido do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM/RJ).

LEIA MAIS: FAKE NEWS: “Tornam-se virais porque atingem sentimentos fortes… de medo, surpresa”, diz pesquisador da USP

LEIA MAIS: Punições para autores de Fake News geram debates sobre constituição e liberdade de expressão

Acompanhe nossas transmissões ao vivo e conteúdos exclusivos na página facebook.com/aratuonline e também pelo youtube.com/televisaoaratu

*Publicada originalmente às 10h