Caso Cabula: ONG denuncia ação que matou 12 pessoas à ONU

Fonte: Da Redação

A ONG de direitos humanos Justiça Global, denunciou na última sexta-feira (07) à Organização das Nações Unidas (ONU), a ação da Polícia Militar que vitimou 12 pessoas, na comunidade Vila Moisés, na região da Estrada das Barreiras, em fevereiro deste ano.

O documento foi enviado para três relatorias da ONU, a de Execuções Sumárias, a de Independência do Judiciário e a de Defensores de Direitos Humanos. O informe – que segue em anexo – vai acompanhado de outros documentos que também comprovam o risco que familiares, integrantes da Campanha “Reaja ou Será Morta, Reaja ou Será Morto” e promotores do caso passaram a correr ao denunciar a história, sendo ameaçados por policiais militares e também por grupos de extermínio.

Entre os fatos relatados à ONU está a construção da sentença pela juíza Marivalda Almeida Moutinho, que no processo chega a utilizar um artigo do Código Civil para inocentar acusados de um processo penal, assim como as ameaças claras contra Hamilton Borges, da campanha Reaga, e um professor da Universidade Federal da Bahia (UFBA) que se posicionou contrariamente à sentença da juíza. Dessa forma, a Justiça Global também ressalta a responsabilidade do governo baiano e do Estado brasileiro em garantir a vida dos defensores de direitos humanos e de todos aqueles que buscam justiça.