Colegas do investigador “Xuxa” identificam suspeita do assassinato; ela é procurada

Fonte: Da redação

Crédito da Foto: leitor/Aratu Online

Colegas do investigador da Polícia Civil Roberto Carlos Neves, conhecido como “Xuxa”, procuram a suspeita de cometer o assassinato dele, ocorrido na noite de sexta-feira (30/11) em Camaçari, na Região Metropolitana de Salvador.

Agentes da 26ª Delegacia Territorial (DT/Vila de Abrantes) disseram ao Aratu Online que a principal suspeita é Luana Tavares, de 29 anos. A Secretaria da Segurança Pública (SSP), porém, se limita a dizer apenas que não pode falar nada sem que um mandado de prisão contra a mulher seja expedido.

O golpe desferido por Luana atingiu uma veia importante e foi determinante para a morte de “Xuxa” . Foto: leitor/Aratu Online

LEIA MAIS: Investigador da Polícia Civil, “Xuxa” é morto por mulher em Camaçari

LEIA MAIS: Assassina do policial “Xuxa” se entrega à polícia e alega desentendimento 

Ainda não há informações sobre a relação entre “Xuxa” e Luana, mas testemunhas disseram que eles tiveram uma discussão dentro de um imóvel. Em seguida, a mulher esfaqueou o policial, que chegou a pedir ajuda e entrar em seu carro, mas não resistiu.

O corpo do agente foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) e não se sabe onde será enterrado. As Polícias Militar e Civil continuam procurando Luana.

Acompanhe nossas transmissões ao vivo e conteúdos exclusivos no www.aratuonline.com.br/aovivo e no www.aratuonline.com.br/lives. Nos mande uma mensagem pelo WhatsApp: (71) 99986-0003.