Conheça a incrível história da baiana que tirou foto com o marido antes de conhecê-lo

Fonte: Juana Castro

Crédito da Foto: Ed, de camisa azul e vermelha, encostado na grade, e Tati, de calça jeans e casaco preto, com a família | arquivo pessoal

Parece até coisa de filme, mas a história que você lerá nas próximas linhas aconteceu de verdade, com uma baiana e um carioca, e sela muito bem o Dia dos Namorados, nesta terça-feira, 12 de junho.

O ano era 1987. A jovem Tati Moreira, então com 19 anos, visitava o Pão de Açúcar, um dos principais pontos turísticos do Rio de Janeiro, junto com sua família. Como bons turistas, registraram aquele momento com uma foto. Tempos depois, já casada, sua mãe achou a fotografia, então guardada, e ficou surpresa com a semelhança entre o rapaz, que aparecia ao fundo da imagem, e o marido da filha. “Não parece o Ed?”, questionou. E a resposta não poderia ter sido ainda mais surpreendente: era ele. O engenheiro de produção Edmilson Baggio, hoje com 52 anos. Mas, na época da foto, o casal não se conhecia.

‘LOVE STORY’

Tati e Ed – este morava no Rio -, só se conheceram, mesmo, de trocar nomes – e beijos -, no Carnaval de 1992, em Salvador. “Ficamos e trocamos correspondências entre as idas e vindas esporádicas dele para a capital baiana”, conta Tati, ao Aratu Online. No ano seguinte, o rapaz veio novamente para a folia momesca e os dois resolveram assumir o namoro, mesmo que à distância. Do Rio de Janeiro, Ed passou a viver em São Paulo e Tati continuou em Salvador.

Mas o relacionamento permanecia forte e eles noivaram no Natal do mesmo ano, para se casarem sete meses depois, no dia 14 de julho de 1994. Nesses 26 (ou 31, considerando a foto) anos de história, o casal “coleciona” muitas histórias e declarações, além dos principais frutos da união: os filhos Lucca, Luma e Nina.

Tati e Ed completam 24 anos de casados neste ano | Foto: arquivo pessoal

 

Casal com os filhos em imagem recente | Foto; arquivo pessoal

AMOR DE MUITOS CARNAVAIS

Questionada se ainda comemoravam o Dia dos Namorados, depois de tantos anos juntos, Tati, hoje design de interiores, falou sobre o que realmente importa para o casal. “Na verdade, acho que nunca comemoramos”, conta, aos risos. “Para a gente sempre foi mais significativo o Carnaval, quando nos conhecemos”, completa.

Para ela, não existe “receita”. No nosso caso existe amor e respeito (nunca trocamos palavrões ou ofensas). Já passamos por muitas tempestades ao longo desses 24 anos de casados, mas vamos superando cada obstáculo novo, juntos e tentando não perder a ternura”, explica a baiana. “A gente ri muito juntos, ainda – inclusive um do outro -, pois acreditamos que isso torna o relacionamento espirituoso e divertido”.

E uma dica para os casais de plantão, de muito ou pouco tempo juntos? “Não tem muita regra a seguir. Tem que fluir e ser leve. O importante é amar e ser amado”, conclui Tati.

LEIA MAIS: Namorada de tenente, capitã da PM defende: “sem hierarquia em casa”

Acompanhe nossas transmissões ao vivo e conteúdos exclusivos no www.aratuonline.com.br/aovivo e no facebook.com/aratuonline.