Escolhidos os novos presidente e vice-presidente do Conselho Estadual de Cultura

Fonte: Da redação

Os conselheiros Márcio Ângelo Ribeiro e Emílio Carlos Tapioca foram eleitos na quarta-feira (17), para ocupar, respectivamente, os postos de presidente e vice-presidente do Conselho Estadual de Cultura da Bahia. A eleição aconteceu na sede do órgão, no Campo Grande, em Sessão Plenária conduzida pelo secretário de Cultura do Estado, Jorge Portugal.

Os novos gestores do órgão assumem suas funções pelos próximos dois anos. Márcio Ângelo Ribeiro assume a presidência depois de conseguir 18 votos contra 08 do conselheiro Aurélio Schommer. Houve ainda dois votos nulos e um em branco. No posto de vice-presidente, Emílio Carlos Tapioca saiu vitorioso depois de obter 21 votos contra 08 do conselheiro Pawlo Cidade.

“Essa é uma vitória do coletivo. Esse momento que tivemos, a partir dessa eleição, é um símbolo do que ocorrerá no Conselho, pois tudo será resolvido coletivamente. Estaremos na frente para o fortalecimento da política cultural do Estado. Temos que ter política e direção. Quero agradecer a confiança de todos, vamos caminhar juntos esses dois anos”, comentou.

Já o novo vice-presidente do Conselho, Emílio Tapioca, reforçou a necessidade de trabalhar pela pluralidade da Cultura na Bahia. “Este é o momento de nos unirmos. A eleição no Conselho é um ganho significativo para a política cultural na Bahia. Um compromisso nosso é atender a diversidade, a territorialidade, além de ter comprometimento com a cidadania”, assinalou.

Composto por 60 conselheiros (30 titulares e 30 suplentes), o Conselho Estadual de Cultura do Estado da Bahia (CEC-BA) é um órgão colegiado da Secretaria de Cultura do Estado (SecultBA), de caráter normativo e consultivo. Tem por finalidade contribuir para a formulação da política estadual de cultura.

Perfis

Presidente Márcio Ângelo Ribeiro – É conselheiro territorial eleito pelo Território de Identidade Cultura do Sertão do São Francisco. Atuou como coordenador do Colegiado de Desenvolvimento Territorial Sertão do São Francisco (Codeter). Articulou por mais de doze anos o projeto Novembro Negro, promovido pelo Instituto de Arte Educação Nego D’Água. Foi coordenador do Centro de Cultura João Gilberto, em Juazeiro, de 2007 a 2010, e contribuiu na produção do Salão de Arte, do Festival Curtas 5 Minutos e Conferências territórios de Cultura, além de ter sido um dos promotores do Circuito Cine João Gilberto. É conhecido também por ter sido fundador do espaço Cultural Casa da Cultura Jordélio de Souza, equipamento Cultural do Bairro do Quidé, Juazeiro-BA.

Perfil do vice-presidente

Vice-presidente Emílio Carlos Tapioca – Conselheiro indicado pelo poder público para representar o Fórum dos Dirigentes Municipais de Cultura do Estado da Bahia (ADIMCBA), órgão onde é presidente. É licenciado em História pela Faculdade de Ciência e Tecnologia (FTC), foi coordenador do Ponto de Cultura Abassá de Oxalá, em Andaraí, nos anos de 2008 e 2012. É delegado eleito nas conferências municipais e territoriais de cultura e, desde 208, é membro efetivo do Colegiado de Desenvolvimento Territorial da Chapada Diamantian (Codeter). Participou da organização da Comunidade Quilombola da Fazenda Velha de 2007 a 2014, além de ser fundador da Organização Social Viver Cultura e Meio Ambiente, projeto que coordenou até o ano de 2012. Contribuiu na organização e execução do Festival de Igatu / Andaraí, em 2013, e participou do Colegiado do Território de Identidade da Chapada Diamantina de 2007 a 2014.