Grupo protesta em frente à escola no Cabula e trânsito fica lento na região

Fonte: Da redação

Crédito da Foto: leitor/Aratu Online

Com cartazes, aproximadamente 40 pessoas protestam, na manhã desta segunda-feira (26/11), em frente à escola Estadual Visconde de Itaparica, na Rua Silveira Martins, no bairro do Cabula, em Salvador. Utilizando pneus, o grupo bloqueou um dos lados da via, o que intensifica o trânsito na região. A velocidade média no local, sentido Cabula, é de 10 Km/h, segundo dados da Transalvador.

Foto: leitor/Aratu Online

Outro protesto, de estudantes, acontece no final desta manhã, no Centro Administrativo da Bahia (CAB), também na capital baiana.

REESTRUTURAÇÃO

Desde a semana passada, uma série de manifestações vêm acontecendo na cidade devido ao fechamento de escolas. Porém, em entrevista ao Aratu Online, o superintendente de Políticas para a Educação Básica do Estado, Ney Campello, disse que se trata de uma “reestruturação”.

LEIA MAIS: Fechamento de escolas estaduais gera protestos em Salvador; “reestruturação”, diz SEC

Ele explicou que a mudança afeta menos de 10% da rede – atualmente com 1.240 unidades de ensino -, e que a reorganização é divulgada com “bastante antecedência” aos diretores das escolas, que devem repassar a informação aos pais.

“As famílias podem ficar tranquilas, pois não há nenhum movimento sem diálogo”, afirmou Campello. Segundo ele, o governo do estado vem conversando com as prefeituras para que elas “assumam o ensino fundamental”, como propõe a lei 9.394/96, de diretrizes e bases da educação nacional. “O estado responde por aproximadamente 200 mil matrículas e as prefeituras querem postergar a decisão”, pontuou.

A “municipalização da educação”, citada acima, é um dos critérios para a reestruturação da rede estadual, assim como a “otimização dos recursos”, ainda de acordo com o superintendente. Ele cita, por exemplo, que a ideia é sair de imóveis alugados – muitos há mais de 20 anos -, inadequados, e ir para locações próprias, com maior capacidade.

“A resistência dos pais, alunos e professores é natural, mas precisamos fazer isso para requalificar o ensino e investir em mais projetos dentro da área da educação, de arte e esporte, por exemplo”, concluiu Campello.

LEIA MAIS: Sobe para seis o número de mortos em tragédia na BR 116

Acompanhe nossas transmissões ao vivo e conteúdos exclusivos no www.aratuonline.com.br/aovivo e no www.aratuonline.com.br/lives. Nos mande uma mensagem pelo WhatsApp: (71) 99986-0003.