HGRS: autora de denúncias perde a mãe e aponta adulteração na causa da morte

Fonte: Da redação

Crédito da Foto: Reprodução

A jornalista Raquel Lacerda, filha da aposentada Dinalva Andrade, 64 anos, que morreu no último domingo (8), no Hospital Roberto Santos, acusa a unidade médica de emitir um laudo apontando uma causa de morte diferente da real. “Eles dizem no documento que minha mãe morreu por conta de um abscesso na perna, mas minha mãe morreu por conta de um infarto” afirmou, em contato com o Aratu Online. Procurada, a assessoria da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia disse que não vai se pronunciar.

Raquel entrou em contato com a imprensa no início da semana passada para denunciar que sua mãe já esperava há cinco dias nos corredores do hospital para realizar um ultrassom. Na última terça-feira (3), ela foi submetida a uma cirurgia para a drenagem de um hematoma na perna direita, mas com a unidade médica lotada, voltou a ocupar uma “vaga” no corredor.

Ainda de acordo com Raquel, sua mãe realizou apenas duas horas de hemodiálise no sábado (7), quando deveria ter feito o dobro. “Não tinha maqueiro para levar ela até o setor onde é realizada a diálise. Por isso, ela fez apenas duas horas de tratamento”, disse. Segundo ela, não é possível afirmar se o fato contribuiu para a morte da idosa. “O médico me disse que ela teve um derrame pleural e acúmulo de líquido no corpo, com água nos pulmões. Isto pode ter contribuído para a sua morte ou não, não está confirmado”, explicou.

Dinalva Andrade, que era hipertensa, diabética e tinha problemas crônicos nos rins foi sepultada às 14h30 desta segunda-feira (9), no cemitério da Ordem Terceira de São Francisco, na Baixa de Quintas. Raquel disse que ainda não decidiu se vai processar o Estado. “Acabei de enterrar a minha mãe, então, ainda não decidi a respeito. Vou sentar com os meus familiares e advogados nos próximos dias para resolver essa questão”, finalizou.