Laudo vai dizer se padrinho matou criança de Itapuã; mãe do garoto é indiciada

Fonte: Da redação

Crédito da Foto: Divulgação/Polícia Civil

O laudo pericial do Departamento de Polícia Técnica é que vai determinar a causa da morte do garoto Marcos Vinícius Carvalho dos Santos, de dois anos, que estava desaparecido e teve o corpo localizado num areal, em Itapuã. A informação é do delegado Antônio Carlos Magalhães Santos, titular da 12ª Delegacia Territorial (DT/Itapuã), durante coletiva realizada na manhã desta quinta-feira (20), no auditório do edifício-sede da Polícia Civil, na Piedade.

Acompanhado da delegada Albertina Machado, do Departamento de Polícia Metropolitana (Depom), que representava a diretora Fernanda Porfírio, o delegado Antônio Carlos e a titular da Delegacia de Proteção à Pessoa (DPP), delegada Heloísa Simões, que apurava o desaparecimento de Marcos Vinícius, deram detalhes sobre a investigação que culminou na prisão de Rafael Pinheiro de Jesus, de 28 anos, padrinho do garoto, e no indiciamento de Fabiana Pereira de Carvalho, 18, mãe do menino, e de Anira Freire Pinheiro, 47, mãe de Rafael.

O cabeleireiro foi autuado em flagrante por homicídio e ocultação de cadáver e deverá responder ainda por denúncia caluniosa. No dia 14 de agosto, ele procurou a DPP para informar o desaparecimento do menino, enquanto comprava verduras numa feira, em Itapuã. Anira o acompanhou até a delegacia e corroborou a versão do filho. “Por tentar induzir à polícia ao erro na investigação, ela também será responsabilizada criminalmente”, explicou Heloísa Simões.

Intimado a comparecer na 12ª DT/Itapuã pelo delegado titular, Rafael só aceitou ir à unidade acompanhado de um advogado, o que chamou a atenção da polícia. Em depoimento, ele alegou que Marcos Vinícius passou mal depois de consumir leite – o menino tinha intolerância à lactose, diabetes e um problema no pâncreas-, e tentou reanimá-lo, mas ao perceber que o garoto não respirava mais decidiu se livrar do cadáver.

Questionado sobre onde teria abandonado o menino, Rafael disse primeiro que entregou o corpo a um usuário de drogas, mas acabou levando os policiais até o local. Marcos Vinícius foi transportado dentro de um cooler de bebidas e, em seguida, descartado no matagal que havia num areal.

Rafael teve a prisão preventiva solicitada à Justiça e já seguiu para o sistema prisional. A polícia apurou que ele, que tem RG de São Paulo, morou durante algum tempo naquele estado, onde chegou a ser conduzido a uma delegacia depois de ser denunciado por um homem, acusado de aplicar um golpe conhecido como “Boa noite Cinderela”.

DESAPARECIMENTO
Desde a sexta-feira (14), quando o desaparecimento de Marcos Vinícius foi registrado, oito pessoas foram ouvidas na DPP. “Todas as pessoas que poderiam ter tido contato com o Rafael e o garoto na feira foram ouvidas e ninguém viu o garoto naquele dia”, salientou a titular da DPP.

aratu online salvador Localizado corpo de criança desaparecida em Itapuã; padrinho é o suspeito do crime

Foto: Arquivo Pessoal

Diligências foram realizadas na Feira de Itapuã, em um posto de gasolina próximo à casa de Rafael, em um posto de saúde em Areia Branca, Lauro de Freitas, e também num pronto socorro em Simões Filho, locais onde o garoto teria sido socorrido, mas nenhuma informação foi confirmada.

O padrinho chegou a mobilizar pessoas por meio de redes sociais para encontrar o menino e até organizou uma passeata, em Itapuã, no domingo (16), com distribuição de camisas e exibição de cartazes.

A participação da mãe do garoto no crime também está sendo investigada. Ela vai responder criminalmente, com base no artigo 242, do Estatuto da Criança e do Adolescente, por ter entregado seu filho a uma pessoa estranha e inidônea.