Morte de seguranças em Pituaçu completa 13 meses sem punição dos envolvidos

Fonte: Jean Mendes

Crédito da Foto: Margarida Neide/Agência A Tarde

Três mortes, 13 meses de investigações e nenhuma prisão. Esse é o panorama de um crime que chocou a Bahia, o assassinato de seguranças do show “Melhor Segunda-Feira do Mundo”, em fevereiro de 2017. Às vésperas do triplo homicídio completar um ano e um mês, nesta segunda (5/3), você vai conhecer agora o que está por trás da chacina contra Derivaldo Rocha dos Santos, Geraldo Mota Cunha e Márcio Rogério Bandeira.

Aquela noite, 6 de fevereiro, tinha tudo para ser mais uma apresentação dos 15 anos da festa que faz sucesso entre baianos e turistas. Os ambulantes já tinham montado suas barracas na porta do Estádio Metropolitano Roberto Santos, mais conhecido como Pituaçu. A estrutura do show, por sua vez, também, já estava toda preparada para receber os milhares de espectadores quando vários homens armados surpreenderam as vítimas na passarela que liga o Centro Administrativo da Bahia ao estádio.

LEIA MAIS: FAROESTE: Três homens são mortos a tiros na região de Pituaçu; Dois corpos foram carbonizados

Quem mandou? Por qual motivo?

Esses são questionamentos que, oficialmente, a Polícia Civil não divulga. Provocada pela reportagem do Aratu Online, a corporação disse que quatro bandidos, moradores do bairro do Nordeste de Amaralina – um dos mais perigosos da capital baiana -, participaram da ação. A polícia pontuou ainda que todos já foram identificados pela equipe da Delegacia de Homicídios Múltiplos, comandada por Odair Carneiro.

Essa informação reforça a suspeita dos primeiros policiais que chegaram à cena do crime naquela oportunidade. Derivaldo, Geraldo e Márcio foram os escolhidos pelos assassinos para vingar um caso que tinha acontecido uma semana antes, também durante o show da “Melhor Segunda-Feira”. No dia 30 de janeiro, o traficante conhecido como “Bolsa” foi retirado por seguranças de um camarote e encontrado morto logo em seguida.

“Bolsa” fazia parte do comando do tráfico no Nordeste. Foto: reprodução/WhatsApp

PÓS-CRIME

O show que aconteceria naquela oportunidade foi cancelado pela produção do Harmonia do Samba e a “Melhor Segunda-Feira” jamais voltaria a ser realizada no Estádio de Pituaçu. Ainda no dia 6 de fevereiro, a assessoria de imprensa do grupo tratou de desmentir os boatos que Derivaldo, Geraldo e Márcio seriam seguranças de Xanddy, o vocalista da banda de pagode. O grupo disse que eles eram terceirizados, contratados para fazer a segurança da festa.

Xanddy, inclusive, utilizou as redes sociais, naquela mesma noite, para se pronunciar sobre o caso. “Triste demais aqui! Não existe possibilidade alguma de subir no palco depois de uma fatalidade dessa”, escreveu no Instagram. Ele e os convidados do show também gravaram um vídeo falando sobre o episódio.

Comunicado de Xanddy nas redes. Foto: reprodução/Instagram

Acompanhe nossas transmissões ao vivo e conteúdos exclusivos no www.aratuonline.com.br/aovivo e no facebook.com/aratuonline.

*Publicada originalmente às 6h25 (5/3)