Morte de transexual em Águas Claras pode ter relação com outro homicídio na Ribeira, diz polícia

Fonte: Da redação

Crédito da Foto: reprodução/Facebook

A morte da transexual Camila Albuquerque, ocorrida na manhã desta quarta-feira (15/3) no bairro de Águas Claras, em Salvador, pode ter relação com o homicídio do segurança Djair Souza de Assunção, assassinado na tarde da segunda (14/3) na Ribeira. A suspeita foi divulgada pela Polícia Civil.

“As primeiras informações apuradas pelo DHPP [Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa] apontam que Camila teria marcado um encontro com o segurança no local onde ele posteriormente seria morto. Há indícios também de que uma discussão entre o segurança e pessoas desconhecidas há alguns dias teria motivado o crime”, explica o coordenador da 3ª Delegacia de Homicídios (DH/BTS), Jamal Amad. A unidade investiga o caso de Djair.

LEIA MAIS: TERROR: Homem é assassinado com pelo menos 11 tiros dentro de carro na Cidade Baixa

A principal suspeita com relação à autoria e motivação do crime contra a transexual, encontrada atrás de um contêiner de lixo, com os punhos amarrados e vários tiros no corpo, está ligada ao homicídio de Djair. “Acreditamos que se trata de uma vingança à morte dele”, afirma o coordenador da 2ª Delegacia de Homicídios (DH/BTS), Guilherme Machado, responsável pelo inquérito de Camila.

LEIA MAIS: CRIME: Polícia confirma morte de travesti ‘musa da internet na Bahia’

Buscas estão sendo feitas para capturar os envolvidos em ambos os crimes. Familiares e testemunhas estão sendo chamadas para serem ouvidas no DHPP. Quem tiver informações sobre eles, que possam auxiliar nas investigações, poderá encaminhá-las pelo Disque Denúncia, no telefone (071) 3235 – 0000. Sigilo garantido.

Acompanhe nossas transmissões ao vivo e conteúdos exclusivos na página facebook.com/aratuonline e também pelo youtube.com/portalaratuonline.