MPF discorda de habeas corpus para Carlinhos Cachoeira e ex-assessor de Cabral

Fonte: Agência Brasil

MPF discorda de habeas corpus para Carlinhos Cachoeira e ex-assessor de Cabral

Crédito da Foto: Agência Brasil

O Ministério Público Federal (MPF), por meio da Procuradoria Regional da República da 2ª Região (PRR2) encaminhou à Justiça documento em que discorda de pedidos de habeas corpus feitos pelas defesas do contraventor Carlos Ramos, o Carlinhos Cachoeira, e de Pedro Miranda, assessor do ex-governador do Rio Sérgio Cabral.

Os dois são réus da Operação Lava Jato no Rio. Cachoeira também é investigado na Operação Saqueador, que apura esquema de desvio de recursos públicos e lavagem de dinheiro.

A defesa de Cachoeira pede que a prisão preventiva seja convertida em domiciliar pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). Já Miranda pede que a 7ª Vara Federal Criminal do Rio não seja responsável pelo processo da Operação Calicute, que investiga corrupção na gestão de Cabral.

LEIA MAIS: TIROS EM PERNAMBUÉS: Vídeo mostra pânico e correria durante ação na Rua das Flores

NÃO PROCEDEM

O parecer da procuradora regional Mônica de Ré, do Núcleo Criminal de Combate à Corrupção da PRR2, indicou que os pedidos de Carlinhos Cachoeira e Pedro Miranda não procedem.

Com relação a Cachoeira, ela destacou que a conexão entre as apurações das operações Saqueador e Calicute “contribui para reforçar a necessidade da prisão preventiva, ao contrário do que argumenta o réu”.

Ela apontou ainda que a necessidade da prisão de Cachoeira “não é constatação genérica e abstrata”, mas refere-se a circunstâncias concretas. “Sua prisão cautelar deve ser mantida considerando o contexto para sua decretação, que não se alterou, e outros dados dos autos, como seu grau de envolvimento nos fatos e também sua condição pessoal”.

Sobre o pedido da defesa de Pedro Ramos para alterar a competência da 7ª Vara Federal e anular o recebimento da denúncia contra ele, a procuradora argumentou que ficou evidente, nas investigações, que Miranda adquiriu joias, uma vez que “ele se revezava na entrega de dinheiro em espécie para uma joalheria”, como parte da atuação da organização criminosa, que teria o ex-governador como líder.

Os argumentos do ministério foram encaminhados ao Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2), que terá até esta quarta-feira (5/4) sessão analisar os habeas corpus em nome de Cachoeira e de Miranda.

Também está previsto o julgamento do habeas corpus de Luiz Paulo Reis, outro réu da Calicute, preso e apontado como testa de ferro do ex-secretário estadual de Obras, Hudson Braga, também preso na Calicute, e levado para o Complexo Penitenciário de Gericinó, no Rio.

No pedido, a defesa pede a liberdade ou prisão domiciliar de Reis, mas a procuradoria reforçou a necessidade dele permanecer preso, diante das evidências de sua participação em um esquema de ocultação de valores.

Acompanhe nossas transmissões ao vivo e conteúdos exclusivos no www.aratuonline.com.br/aovivo, na página facebook.com/aratuonline e também pelo youtube.com/portalaratuonline.