Não há indícios que lama de Abrolhos seja da barragem do Fundão, conclui Inema

Fonte: Da redação

O Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Bahia (Inema) não identificou compatibilidade entre a lama do Arquipélago de Abrolhos e os sedimentos da barragem do Fundão, no município de Mariana, em Minas Gerais.

Em novembro do ano passado duas barragens da mineradora Samarco se romperam na cidade mineira lançando uma quantidade enorme de rejeitos sólidos e detritos no Rio Doce. Quando as manchas foram encontradas em Abrolhos se aventou a hipótese da lama ter escoado do rio e atingido o arquipélago, que é uma reserva de proteção ambiental de baleias e outras espécies da fauna marítima.

A conclusão do Inema coincide com o relatório da Samarco, que indicava que não havia comprovação técnica de que o material observado fosse das barragens rompidas.

“Dados sobre a direção de ventos e intensidade de marés registrados nos últimos dias apontam para uma probabilidade muito baixa de deslocamento da pluma de turbidez do litoral de Linhares até o Arquipélago de Abrolhos.” diz a nota da empresa.

Sobre a  mancha suspeita surgida no arquipélago, o Inema acredita agora que tenha surgido por conta da chuva. As fortes precipitações no estado teriam arrastado uma grande quantidade de matéria orgânica para o oceano que banha Abrolhos. E, portanto, não seria tóxica para o desenvolvimento da flora e fauna da região.