Nasce primeiro bebê com microcefalia em Feira de Santana; mãe teve sintomas de Zika

Fonte: Da redação

O primeiro bebê que nasceu com microcefalia em Feira de Santana deve receber alta médica junto com sua mãe neste sábado (21), segundo a diretora do Hospital da Mulher, Charline Portugal. A doença, que é uma malformação congênita, em que o cérebro não se desenvolve de maneira adequada, tem sido registrada com muita frequência nos Estados do Nordeste, segundo dados do Ministério da Saúde divulgados na última quarta-feira.

Segundo os registros, 399 casos da doença em recém-nascidos foram detectados em sete estados da região. O maior número de casos está concentrado em Pernambuco (que decretou situação de emergência) com 268 crianças, seguindo com Sergipe que tem 44 casos, o Rio Grande do Norte com 39, Paraíba 21 e Ceará 9. Há uma forte suspeita de que o Zika vírus pode ser causador da epidemia.

“A paciente é de Amélia Rodrigues [município na região de Feira de Santana]. Ela foi internada aqui na unidade no último dia 18 apenas para ter a criança. Depois de ter feito um ultrasson, detectamos a microcefalia”, destaca a diretora do Hospital da Mulher. Segundo ela, a mãe da criança não foi diagnosticada com Zika Vírus, mas disse que teve os sintomas da doença durante a gravidez. “Ela conta que teve as coceiras [sintomas da doença] durante a gestação, mas a unidade de saúde onde ela fez o pré-natal apenas passou os medicamentos”, destaca Portugal.

A Vigilância Epidemiológica do município onde a mãe do bebê mora já foi notificada do caso. “Tenho 21 anos de experiência, essa é a primeira vez que vejo a microcefalia poder estar relacionada com alguma doença viral”, finaliza a diretora do Hospital da Mulher de Feira de Santana.

Casos na Bahia
A Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) disse que não registrou esse caso em Feira de Santana. Segundo dados da mesma, no período de janeiro de 2010 a novembro de 2015, foram registrados 70 recém-nascidos com a má-formação do cérebro que pode desencadear problemas graves no desenvolvimento da criança. Do total, a cidade com mais incidência é Salvador, com 20 casos registrados, sendo que este ano, foram registrados 13 casos da doença.