O PASSAGEIRO DESCEU: Menos 24h após início de funcionamento, primeiro carro com serviço Uber é apreendido em Salvador

Fonte: Da redação

Crédito da Foto: Jefferson Peixoto/Agecom

Um veículo, modelo HB-20, que estaria fazendo transporte clandestino de passageiros, por meio do aplicativo Uber, foi apreendido na manhã desta sexta-feira (8/4), no Dique do Tororó, em Salvador. Segundo a Secretaria de Mobilidade (Semob), o flagrante foi feito durante uma operação montada na região. O passageiro que estava dentro do carro no momento da apreensão foi convidado a descer.

Esta é a primeira apreensão em menos de 24 horas do funcionamento do Uber na capital baiana. A multa pela atuação de transporte clandestino é de R$ 240,50, o que equivale a 50 bandeiradas do táxi. Além disso, o motorista paga multa pela remoção do veículo, que varia de R$ 309,27 a R$ 804,09 (a depender do porte), e diária no pátio da Transalvador, que vai de R$ 49,48 a R$ 841,21.

Segundo a Prefeitura, o combate ao transporte clandestino está sendo intensificado, por meio de uma série de operações. Cerca de 80 veículos foram levados ao pátio da Transalvador até o inicio deste mês. Durante todo o ano de 2015, foram apreendidos 50 carros clandestinos.

As ações ganharam força pois passaram a contar com o apoio da Polícia Militar, Agerba, Polícia Rodoviária Federal (nas áreas de competência) e Detran, juntamente com agentes da Semob e da Transalvador.

“Carros não cadastrados como táxi ou transporte escolar, e coletivos não pertencentes ao Sistema de Transporte Coletivo por Ônibus e Subsistema de Transporte Especial Complementar não podem atuar em Salvador”, esclareceu o secretário de Mobilidade, Fábio Mota.

O titular da Semob afirma ainda que as operações vão continuar intensas. “As ações são imprescindíveis para a segurança da mobilidade dos usuários do transporte público de Salvador. Transporte clandestino não segue lei, não passa por fiscalização nem vistoria, é um risco para a população. Nossas operações estão cada vez mais eficientes e agora temos um aparato legal ainda mais rígido que é o novo regulamento do Setax”.