Pastor acusado de planejar morte de “rival” em Vitória da Conquista se entrega após cerco policial

Fonte: Da redação

Crédito da Foto: Reprodução/Blog Suíça Baiana

O enredo de cinema que tem prendido a atenção dos moradores de Vitória da Conquista nos últimos dias, parece ter chegado ao fim no início da noite desta terça-feira (26/01). O pastor Edimar Brito, apontado pela polícia como o mandante das mortes de Marcilene Oliveira Sampaio de Souza, de 38 anos, e o de sua sobrinha Ana Cristina, de 37, foi preso no distrito de Ibicuí.

Em contato com o Aratu Online, o delegado Marcus Vinícius Morais, responsável pelo caso, afirmou que Brito se entregou após perceber o forte cerco policial. “Ele solicitou a presença de advogados e decidiu se render”, disse.

O pastor está sendo conduzido para Vitória da Conquista e deve ser apresentado à imprensa na manhã desta quarta-feira (27/01).

pastora

Foto: Pastora Marcilene Oliveira e o marido, Carlos Eduardo de Souza. Divulgação

As investigações apontam que uma concorrência religiosa teria motivado a morte da pastora Marcilene Oliveira. Ela e Brito faziam parte da mesma congregação, mas a mulher resolveu sair e criar a sua própria igreja — chamada de “Profetizando Vidas”.

Brito, acredita a polícia, teria ficado irado com a nova concorrência e planejou o crime. “Ela teria levado 80% dos seus fiéis ao criar um novo espaço de culto. Ele nunca aceitou bem isso”, disse o delegado cinco dias atrás, quando o pastor ainda estava foragido.

Os corpos de Marcilene e de sua sobrinha foram encontrados às margens da estrada, na BA 265. O esposo da pastora, Carlos Eduardo de Souza, conseguiu fugir do local. Fábio Dias dos Santos, de 34 anos, e Adriano Silva Santos, 36, foram presos e confessaram participação no crime.

Leia mais:

Pastor teria se embriagado antes de cometer crime religioso em Conquista, diz blog

CRIME BRUTAL: ‘Concorrência religiosa’ motivou morte de pastora em Conquista