RELAÇÃO COM O TRÁFICO: Corpo de jovem é encontrado 17 dias após sua cabeça ter sido deixada em feira livre na Bahia

Fonte: Da redação

Crédito da Foto: local onde a cabeça foi encontrada. Paulo José/Acorda Cidade

A morte do jovem Pedro Gonzaga Neto, que teve a cabeça decapitada, pode ter relação com o tráfico de drogas. A informação foi confirmada nesta quarta-feira (13/4) pelo titular da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa de Feira de Santana (DHPP), Gustavo Ameno.

A vítima desapareceu no dia 25 de março em um bairro da cidade, que fica a 110 km de Salvador. Segundo as investigações, o crime teve a participação de seis homens e foi encomendado pelo traficante conhecido como “Robixão”.

A polícia acredita que o principal motivo do homicídio foi a desconfiança que o bandido tinha em relação à vítima. Neto teria ligações com outros traficantes, o que levou “Robixão” a encomendar sua morte. Apesar da informação, o delegado Ameno declarou que, até o momento, não foi encontrada nenhuma evidência que comprove a tese.

Os mandados de prisão contra todos os suspeitos será solicitada à Justiça, informou ainda a Polícia Civil.

O caso
A cabeça de Pedro foi encontrada enrolada em um saco plástico dentro de uma mochila, no dia 26 de março. Ela foi deixada em uma banca de verduras, no Conjunto Feira VII. O corpo só foi localizado na última terça-feira (12/4), depois da prisão de Cledson Santos do Rosário, conhecido como “Kekeu”, no dia 4.

Pertencente à quadrilha de “Robixão”, Rosário informou aos policiais que não participou do crime, mas sabia onde Pedro havia sido jogado: em um matagal próximo ao conjunto Sítio Matias. Os policiais, então, se dirigiram ao local apontado pelo suspeito e acharam o corpo da vítima.