Universidade promove 9ª Mostra de Cinema e Direitos Humanos

Fonte: Da redação

O cinema tem sido um grande aliado na ampliação do debate em relação a temas que envolvem os Direitos Humanos. Para fomentar a reflexão sobre assuntos como direito das pessoas com deficiência, enfrentamento à homofobia, crianças e adolescentes, entre outros, a Unifacs abre as portas ao público para a 9ª Mostra de Cinema e Direitos Humanos, que faz parte do projeto “Democratizando”, do Governo Federal.

O evento é voltado para a exibição de obras produzidas em países do Hemisfério Sul. Em Salvador, as seis obras – entre curtas, médias e longas metragens -, serão apresentadas exclusivamente no prédio da Unifacs na Paralela, no auditório do Centro de Simulação. A entrada é franca. Os filmes serão exibidos nos dias 6, 12, 13 e 19 de março, sempre das 10h às 13h.

No dia 6, será exibido o curta “Sophia”, do diretor Kennel Rógis, e, logo depois, o longa “A Vizinhança do Tigre”, de Affonso Uchoa. O documentário “Pelas Janelas”, de Carol Perdigão, Guilherme Farkas, Sofia Maldonado e Will Domingos será apresentado dia 12, junto com o filme “Rio Cigano”, de Júlia Zakia. No dia 13, é a vez do filme-documentário “Cabra Marcado para Morrer”, do cineasta Eduardo Coutinho, que foi considerado um dos mais importantes documentaristas do Brasil.

Para o dia 19, último dia da Mostra, o público poderá assistir ao longa “Que Bom Ver Viva”, de Lúcia Murat, e estrelado por Irene Ravache. Após a exibição dos filmes, a coordenadora do evento, Vanessa Brasil, irá mediar uma mesa redonda, que contará com a participação de professores e pesquisadores para debater a relação do cinema com os Direitos Humanos. Outros filmes também estão sendo apresentados em diversas cidades do país até 31 de março.

Para Vanessa Brasil, que também é professora doutora da Unifacs, “é um orgulho ser responsável por um conjunto de obras desta importância social e política. Sinto-me honrada com a escolha. Penso que a Universidade, como espaço de pensamento e reflexão, não poderia ficar de fora de uma exibição importante como esta. É o momento de alunos, professores, pesquisadores e cidadãos em geral refletirem e debaterem esta questão”, destacou a professora que, além de ser pesquisadora do programa de Pós-graduação em Administração e escritora de cinema, também promove palestras e análises fílmicas.

Filmes
Sophia – o filme aborda o relacionamento de uma mãe que tem uma filha deficiente auditiva, e que busca entender o mundo sem sons de sua filha.
A Vizinhança do Tigre – a obra acompanha a vida de jovens moradores do Bairro Nacional, em Contagem (MG), e suas relações com o bairro, o trabalho e a violência.

Pelas Janelas – documentário que trata da relação cinema e educação a partir da experiência de quatro estudantes de cinema no acompanhamento das atividades do projeto Inventar com a Diferença – Cinema e Direitos Humanos.

Rio Cigano – o filme é resultado de uma pesquisa de campo de dez anos, sobre famílias de ciganos espalhadas pelo Brasil, com foco em como a cultura cigana se vê representada.

Cabra Marcado para Morrer – o filme-documentário começou a ser filmado em 1964, durante a ditadura militar. Devido às represálias, só pode ser concluído 20 anos depois. Além de um retrato da repressão e das questões agrárias, o longa é também uma reflexão sobre o fazer cinema.

Que Bom te Ver Viva – a obra que aborda a temática da ditadura no Brasil, mostra a história de nove mulheres, todas ex-presas políticas e torturadas, como sujeitos históricos e políticos, fundamental na luta pelos seus direitos.